segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Atletiba inesquecível 1976


Esse depoimento "copiei" direto da página "Causos do Marcão", amigo e Atleticano Fanático há 50 anos, tão Fanático que foi um dos fundadores da Fanáticos.
 

Ele nos conta um pouco da história do seu Atletiba inesquecível.

O que era o ATLETIBA na década de 70???

Nosso time era, mais uma vez quase que ridículo, mas a curva dos fundos, onde ficam os verdinhos hoje, era inteirinha nossa e estava mais uma vez lotada. O Coritiba tinha Maizena, Puruca e Eli Carlos no time, sem citar o Jairo no gol e o cafajeste do Hermes na zaga. Só para terem uma ideia, o grande jogador do Atlético era o Taquito (Ventríloquo) e, era verdade, ele era ventríloquo mesmo.
 

Começa o jogo, eu só vendo aquela gente meio louca gritando e vibrando por um time que, Deus me livre, para chamar de fraco tinha que melhorar muito. Só dava Coritiba. No 1º tempo gol dos coxas (e pra minha surpresa) o juiz anulou. Impedimento. Bola na trave e nenhum ataque nosso. Termina o 1º tempo e quem chegasse naquela hora, pensaria que quem estava ganhando ou jogando muito era o Atlético.

Começa o segundo tempo e só dava Coxa, mais um gol deles e mais uma vez foi anulado. A torcida do Atlético parecia um verdadeiro bando de lunáticos. Apesar do domínio dos coxas, não parava um minuto de gritar. Eram centenas de bandeiras balançando ao vento. Todos nós já vibrando com este empate contra um time monstruosamente superior.

Veio o lance final. 47 minutos do segundo tempo, escanteio para o Coritiba, todos sobem ao ataque. O Taquito, com as mãos na cintura, no bico esquerdo da nossa grande área, era o jogador mais adiantado de nosso time. Nossa torcida calou. Todo estádio só esperando o gol dos Coxa. Bateram o escanteio e, nessas coisas que só a bola sabe, ela explodiu em direção ao Taquito. Ele começa a correr e a loucura se instalou no estádio. O desespero da defesa dos Coxas era simplesmente fabuloso!!!

Imaginem a cena: Taquito correndo feito um fundista e todo, sim todo time do coxa, correndo atrás dele. A torcida do Atlético parecia correr junto, todos tensos, não se ouvia nada, só o som de milhares de gargantas gritando: "VAI TAQUITO,VAI TAQUITO".

Chegando na grande área dos Coxas, a figura gigantesca do Jairo (uma verdadeira muralha) cresce na frente dele. O Hermes tenta dar uma voadora, mas erra o alvo. Taquito, já cansado, chuta e a bola corre, Jairo pula certinho no chute rasteiro, a mão gigantesca dele vai pegar a bola, nossa torcida se cala, a defesa é certa, mas um montinho, ou um toquinho de grama divino, faz com que a bola pule e passe por cima das mãos gigantescas do Jairo.

Não sei se demorou 1, 2, 3 ou 10 segundos a trajetória da bola, mas eu olhava e via gente pasma, tensa, que não gritava, só olhava e pedia a Deus para que a bola, no mísero chute, entrasse. O que lembro depois é um som que nunca mais saiu da minha mente...

GOOOOLLLLLLLLLLLLLLLLLL do Atlético, aos 47 minutos do segundo tempo.

Taquito tirou a camisa, jogou no meio da torcida dos Coxas e caiu desmaiado. O Coxa deu a saída e o juiz encerrou a partida. Nossa torcida ficou ao menos uma hora dentro do estádio vibrando.

Imaginem a cena: Milhares de pessoas saindo andando do Couto Pereira e indo juntos, cantando e vibrando, em direção a Baixada. Passando pelo meio da cidade. A Rua XV tomada do começo ao fim, num mar vermelho e preto, centenas de bandeiras, pessoas que não se conheciam abraçadas, rumo a baixada.

Chegamos lá uma hora depois do fim da partida e a praça do Atlético estava simplesmente tomada de nossa gente. A festa foi demais. No dia seguinte, a tribuna do saudoso Amatuzze, estampava em letras garrafais:

E O POVÃO ,CANTOU E VIBROU NO ALTO DA GLORIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Fonte: 
Página Causos do Marcão
Grupo Fotos Atlético Paranaense - Walmir Tutty Coelho


Nenhum comentário:

Postar um comentário